Especial autopublicação – Como publicar na Amazon Brasil

Tenho percebido diversos autores desejando a autopublicação mas sem pistas de como fazê-lo. Muitos buscam os meios mais conhecidos, Clube de Autores e PerSe, mas esses serviços, apesar de fantásticos, possuem preços pouco competitivos no mercado dos livros. Atualmente, a grande pedida para o autor independente é a Amazon Brasil que, através do seus sistema Kindle Direct Publishing, permite que o escritor publique diretamente sua obra, que será vendida em formato digital.

Algumas considerações sobre a Amazon:

1. Ela não vende livros autopublicados impressos no Brasil. A Amazon possui um sistema para venda de livros autopublicados impressos, mas ele permite venda apenas nas lojas estrangeiras. Falaremos dele em outra oportunidade.

2. O escritor é responsável por todo o processo, não há intermediários ou serviços agregados. Ou seja, é preciso ter o livro já escrito, diagramado, formatado, revisado e com capa pronta (que não é a capa tradicional, mas apenas a parte da frente).

3. Não há óbice do escritor vender seus livros em outros sites ou por outros serviços. A Amazon não exige exclusividade. Caso o autor deseje cadastrar-se também no serviço KDP Select, que é opcional, a Amazon exige que o livro digital não seja vendido por outros sites ou serviços, mas o impresso pode, sem problema algum.

4. Os royalties são especificados pelo escritor e recebidos via TEF (vão direto para a conta corrente ou poupança do autor). Eles podem ser determinados em 35% ou 70%, vai depender mais do valor do livro. Eu recomendo sempre 70%, afinal é justo que o autor seja remunerado por sua obra!

Parece bom? Mas, e como cadastrar-se nessa Amazon para vender o livro? Inicialmente, vá ao site http://kdp.amazon.com e cadastre-se lá. Se você já tem cadastro na Amazon, como comprador, basta digitar o e-mail e a senha que o site importa seus dados. Se ainda não é cliente Amazon, digite um e-mail válido e clique para cadastrar um novo usuário.

Após o cadastro completo, aparecerá uma página que é a sua dashboard. Ali você inclui e apaga obras e edita as que já estão incluídas. Para inserir uma obra, clique no botão laranja que fica no canto superior esquerdo – Adicionar nova obra.

Lembre-se que seu livro já deve estar no formato .mobi (específico para Kindle) e você deve ter uma capa. Se você não tem nenhuma, a Amazon possui um criador de capas, mas recomendo que sua capa seja profissional ou, ao menos, elaborada com zelo. Afinal, ela é a primeira coisa que verão do seu livro. A capa deve ter tamanho ideal de 2500 pixels do maior lado (altura) para funcionar perfeitamente em todos os leitores.

Depois de preencher o formulário de inserção e de fazer o upload da capa e do livro, salve e continue para ir até o formulário de preços e royalties. Nessa etapa, você deve selecionar se deseja royalties de 35% ou 70% e definir os mercados e preços de seu livro. Recomendo que marque 70% e que seu preço em dólares seja de 2,99. Assim você terá um livro de bom valor de mercado e seu retorno financeiro será compensador.

Salve novamente e seu livro está pronto para ser vendido. Bem, quase. A Amazon faz o processamento da obra e isso pode levar até 48H. Não precisa ficar conferindo no site, quando o livro estiver disponível para venda você receberá um e-mail informando isso. A partir daí, basta divulgar o link do site da Amazon para que todos saibam onde encontrar sua obra.

Anúncios

Especial autopublicação – A pergunta importante

Continuando a conversa sobre autopublicação, costumo fazer uma pergunta a todos que dizem não saber o que fazer com seus escritos (mesmo que ainda não terminados): o que você quer, como escritor?

A pergunta desafia algumas respostas, mas vou me propor a analisar apenas duas. A primeira seria: quero ser lido e reconhecido. A segunda, quero vender livros.

Se você quer ser lido, não precisa vender e mesmo assim pode ter uma publicação de aspecto profissional. Há diversas opções para se distribuir uma obra original, gratuitamente. A mais comum delas é disponibilizar o texto em um blog, seja do próprio autor ou seja de temática afim.

Pessoalmente, não gosto de ler textos em blogs. Na verdade, não gosto muito do visual da maioria dos blogs que vejo compartilhando textos, e isso me desanima a ler. Sim, posso parecer superficial por gostar de uma diagramação excelente em um livro, mas o que vale para o impresso vale para o digital. Posso garantir, também, que não sou a única a desistir de uma leitura por causa de fundos sobrecarregados, fontes pequenas ou emboladas, imagens que se sobrepõem ao texto, etc.

Outra forma de distribuição é soltar um arquivo PDF na grande rede. Sites como o Scribd são mestres em compartilhamento desse tipo de material – livros em PDF – e são uma boa vitrine. Você também pode colocar links para download em seu site ou blog ou trocar o arquivo por um tweet, com esse site muito fofo (técnica que já usei e continuo usando com minhas obras).

Atualmente, o Wattpad é uma ferramenta que vem ganhando força entre os escritores que desejam tanto publicar gratuitamente quanto oferecer degustação de suas obras. Lá tem de tudo, desde fanfictions adolescentes até grandes obras – nem todas compartilhadas licitamente, diga-se de passagem, e é um bom local para ganhar visibilidade.

Apenas recomendo cuidado ao disponibilizar sua obra. Se puder registrar seu livro para proteção mais ampla dos direitos autorais, excelente.

Se sua resposta para a pergunta foi vender, no entanto, as técnicas acima não te servem.

Alguns autores acham que basta publicar para vender, o que é um engano terrível. Outros já acreditam que vender seja tão difícil que nem imaginam como alguns conseguem. Também não é bem assim. Se quer vender e ser autopublicado, esteja preparado para ter uma obra muito boa (o bom pode vender no início, mas é só até descobrirem que ele não é muito bom!) e para colocar a mão na massa com divulgação, promoções e mídias.

Não importa se sua escolha foi Clube de Autores, Bookess, Amazon ou outras plataformas autopublicáveis. Seu livro tem que ter: i) capa atraente e que seja condizente com a estória; ii) boa diagramação, com letra de tamanho suficiente para garantir uma leitura sem cansar a vista e que embeleze a obra; iii) um Português de muito bom a excelente, pois o leitor reclama – e muito! – de erros de digitação, revisão, diagramação e ortografia. Imagine erros mais gritantes?

Invista em um capista profissional, crie sua identidade visual (mesmo que em blogs/sites gratuitos), contrate um revisor, convoque beta readers. Tenha um time de pessoas que possam te ajudar a melhorar sua obra e não caia na conversa de que seu livro é bom. Ele pode ser, mas você não deve amá-lo a ponto de não conseguir criticá-lo. A crítica é o fermento do bom escritor.

Com o produto pronto, nunca antes, publique-o e comece a promoção. Utilize as redes sociais de forma massiva, depois de identificar seu público. Crie fanpages e convide pessoas que possam se interessar por sua obra (não adianta convidar aqueles que não curtem seu estilo literário!), faça promoções para arrecadar curtidas, crite uma conta no twitter e adicione seguidores que podem potencialmente se transformar em fãs… há mil e uma maneiras de utilizar a grande rede a seu favor, use e abuse de cada uma delas.

Fazer parcerias com blogs literários é sempre bom, mas cuidado para não doar mais do que vender. Seu objetivo não é ser lido, apenas, lembra-se?

Com um trabalho de marketing amador bem estruturado, você pode ter sucesso em vendas e estabelecer seu nome como autor. É até mesmo possível que uma editora se interesse por sua obra, ao vê-la fazendo sucesso, já que as editoras gostam de eliminar o risco e negociar com quem já vende.

Se precisa de mais ajuda, o ideal é contratar um marketeiro profissional que possa te orientar na formação da plataforma do autor. Não pense que isso não é importante – tudo é importante quando o assunto é vender.